segunda-feira, 12 de junho de 2017

CASOS 1 - Detalhes de um atendimento

A partir de hoje inicio uma nova série aqui no Blog chamada CASOS.
O que é CASOS? Casos tratará, como o nome indica, de relatos de situações encontradas no dia-a-dia dos meus atendimentos em Pronto Socorro. Então, sem mais delongas, vamos ao meu primeiro caso.

Detalhes de um atendimento

No momento estou trabalhando em dois locais fixos, um deles é um PSF e sou plantonista em um hospital. Estava eu no PSF num dia típico, tranquilo, comum... atendo de tudo ali, desde de simples unha encravada até casos graves de AVC em fase aguda. Lugar carente é assim, as pessoas não sabem quais serviços recorrer quando precisam de atendimento. Então, enquanto eu estava ali aguardando o próximo paciente sentado na cadeira no consultório, entra um senhor.

Era um senhor de uns 60 anos, sorridente e aparentando ser bastante saudável.  Se senta e começa a relatar suas queixas. Dizia ele que estava ali porque sentia dores nas costas e que lhe deu uma fisgada quando descia de um carro. Bom, nada diferente da maioria das queixas que nós acostumamos a ouvir diariamente nos atendimentos; acontece que esse senhor hígido ali a minha frente era uma pessoa bem reservada, da roça, boa gente e não gostava muito de se queixar e só estava ali porque precisava trabalhar e tal dor não permitia. “Eu só quero um remédio”, dizia. Enquanto ele falava eu já pensava na prescrição... “ciclobenzaprina via oral a cada oito horas... diclofenaco intramuscular...” até que ele me fala que sentia um incômodo no peito. Eu já iniciava a receita sem dar muita atenção a sua segunda queixa, estava com fome e tem horas que simplesmente nós médicos só queremos nos livrar do paciente, quando então resolvi levantar a cabeça novamente e encará-lo. “Como é esse incômodo? ”, perguntei sem muita expectativa e ele me respondeu esfregando a palma da mão no peito dizendo que sentia, ali, tal incômodo e que as vezes aumentava e dava até falta de ar. Aquilo claramente não significava nada para ele, ele não tinha noção que tal sintoma era bem mais importante do que a dor muscular que referia. Reiniciei a anamnese; dor de cerca de cinco horas de evolução irradiando para membros superiores. Como qualquer estudante de oitavo semestre pensaria, suspeitei de infarto. O exame físico apenas aumentou ainda mais as suspeitas.

O IAM é a primeira causa de morte no pais, segundo o DATASUS (BRASIL, 2014). São mais de 100 mil mortes anuais.

Onde eu estava não tinha nada, somente AAS 100 e oxigênio e foi o que ofereci e já o encaminhei com urgência ao hospital com hipótese diagnóstica de IAM e, enquanto almoçava, a esposa dele me procurou perguntando sobre seu marido, ela disse que estava preocupada pois morava sozinha com ele numa fazendinha um pouco distante dali e queria saber se ele voltava para casa ainda hoje. Disse apenas que não poderia prever, mas que em breve eles avisariam a ela o que ele tinha.

Enquanto voltava para casa, já de tarde, passei pelo motorista da ambulância que havia levado o paciente; ele me contou que era mesmo um infarto e que iam removê-lo a uma UTI.

Fiquei olhando para o horizonte sentindo orgulho de mim mesmo pelo feito. Ao mesmo tempo percebi a importância que existe em ouvir seus pacientes. Entendi que somos humanos e que deixamos escapar detalhes que podem valer a vida e uma pessoa. Pensei que, se na hora que ele disse que sentia “um incômodo no peito” eu estivesse, sei lá, pensando no que ia comer no almoço ou qualquer outra merda que nos vem à cabeça quando estamos cansados e só queremos que a consulta termine logo, esse paciente teria sido privado de um atendimento mais adequado e, ali, sentado no carro indo apara casa, eu não conseguia deixar de pensar nisso.

A medicina é, sem dúvida, a profissão mais foda do mundo; é demais ser médico, mas, ao mesmo tempo é a profissão que, aliada a ciência, mais exige, para que funcione corretamente e eficazmente, interação humana. Um detalhe, um piscar de olhos, uma distração de dois segundos, e perdemos uma vida. As vezes sou cético, descrente, metódico e cientista demais, mas se tem uma coisa que sempre peço para Deus ou a qualquer força que possa existir (ou não) é que me ilumine nesses momentos e que não me deixe escapar uma vida pelas mãos. 


Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...